I CONCURSO DE TROVAS DE ITAPEMA/SC

 


TEMA MARÉ – VETERANOS
1º. Lugar
Venci marés violentas,
ondas e mares sem fim…
Só não venci as tormentas
que existem dentro de mim!
Prof. Garcia – Caicó/RN
2º. Lugar
Viver é desafiar
as marés enfurecidas
que teimam em afundar
o barco das nossas vidas…
Ercy Maria Marques de Faria – Bauru/SP
3º. Lugar
Sem contar com teu carinho,
na praia, em pleno verão,
a maré vem de mansinho
molhar minha solidão…
Antonio Colavite Filho – Santos/SP
4º. Lugar
Sem um porto verdadeiro
onde ancorar os meus pés,
meu coração jangadeiro
vive ao sabor das marés!
Arlindo Tadeu Hagen – Juiz de Fora/MG
5º. Lugar
Em fantasias, singrando
nas marés onde navego,
meu barco tem o comando
dos sonhos a que me entrego!
Edmar Japiassu Maia – Nova Friburgo/RJ
6º. Lugar
Na vida, contra a maré
eu remo e jamais afundo
pois quem tem força e tem fé
transpõe marolas do mundo.
José Henrique da Costa – Magé/RJ

7º. Lugar
O mar, quando vê desfeita
a fúria da maré cheia,
na praia, exausto, se deita
e se abraça com a areia.
Sandro Pereira Rebel – Niteroi/RJ
8º. Lugar
Quando, à noite, a maré cresce,
e o plenilúnio incendeia,
o oceano se incandesce,
prateado: – É lua cheia!
Fabiano de Cristo Magalhães Wanderley – Natal/RN
9º. Lugar
Nas praias do desencanto
onde a saudade passeia,
a maré se eleva tanto
que joga os sonhos na areia!
Eduardo A. O. Toledo – Pouso Alegre/MG
10º. Lugar
Sob os raios do luar,
as ondas ficam de pé,
querendo a lua alcançar
no refluxo da maré.
Sônia Maria Sobreira da Silva – Rio de Janeiro/RJ
11º. Lugar
A maré, tão impulsiva,
esbanjando inquietude,
parece a locomotiva
do viço da juventude.
Heder Rubens Silveira e Souza – Natal/RN
12º. Lugar
Com a fronte sempre erguida
e robusto em minha fé,
vou singrando o mar da vida
alheio a qualquer maré!
José Antonio de Freitas – Pitangui/MG
13º. Lugar
Pela maré empurradas,
as ondas, quais corredeiras,
parecem saias bordadas
pelas mulheres rendeiras.
Sonia Maria Sobreira da Silva – Rio de Janeiro/RJ
14º.  Lugar
A minha vida, hoje em dia,
do que foi nada mais é
que uma jangada vazia,
indiferente à maré.
Maria Madalena Ferreira – Magé/RJ

15º. Lugar
Um garotinho, na areia,
tantos castelos constrói,
sem saber que a maré cheia,
logo que chega… os destrói!…
Carolina Ramos – Santos/SP
TEMA MARÉ – NOVOS TROVADORES
1º. Lugar
Tanto lixo a maré deixa
na rede do pescador,
que o mar bravio se queixa
num triste grito de dor.
José Feldman – Maringá/PR
2º. Lugar
Singrando o mar desta vida,
mesmo ao sabor da maré,
nenhuma rota é perdida,
se eu não perco o amor e a fé.
Aluízio Alberto da Cruz Quintão – Belo Horizonte/MG
3º. Lugar
Eu comparo o meu passado
à maré, na lua cheia:
– Derruba um sonho encantado
e o meu castelo de areia!
Eulinda Barreto Fernandes – Bauru/SP
4º. Lugar
O meu coração errante
é oceano de emoções…
vive em compasso inconstante
na maré… das ilusões.
Luzia Brisolla Fuim – São Paulo/SP
5º. Lugar
A maré que me levou
para tão longe do lar
também cedo me ensinou
que viver é navegar.
Edweine Loureiro da Silva – Saitama/Japão
6º. Lugar
Maré alta, o mar se enfesta;
sobe a lua, explode em prata;
faz-se a noite toda em festa,
e a beleza me arrebata!
Lilia Maria Machado Souza – Curitiba/PR
7º. Lugar
Neste mar de desenganos,
levado pela maré,
em tantos sonhos insanos,
minha força é sempre a fé.
José Feldman – Maringá/PR
8º. Lugar
Maré – que balé gostoso
das dançarinas do mar…
sobem o aclive rochoso
e descem a descansar.
Adamo Pasquarelli – São José dos Campos/SP
9º. Lugar
No mar azul dos teus olhos,
vai meu barco navegando,
bem distante dos abrolhos,
onde a maré vem chegando.
José Roberto Canôas – Barretos/SP
10º. Lugar
Sumiu minha nova trova
rabiscada em plena areia
debaixo de outra mais nova
que chegou na maré cheia.
Carlos Henrique da Silva Alves – Senhor do Bonfim/BA
CONCURSO ESTADUAL DE TROVAS – TEMA ONDA
1º. Lugar
Que a onda leve a tristeza
e me devolva a esperança,
fortalecendo a certeza
de que me espera a bonança.
Jean Carlos Sophiatti – Brusque/SC
2º. Lugar
Quando me deito a seu lado,
as ondas dos seus cabelos
são como ninhos trançados
com finíssimos novelos.
Jean Carlos Sophiatti – Brusque/SC
3º. Lugar
Qual boca sensual, a onda
beija as areias da praia.
Ao final de cada ronda
volta ao seu leito… e desmaia.
Maria Luiza Walendowsky – Brusque/SC
4º.  Lugar
A onda beija os rochedos,
deixando neles gravados
velhos sonhos e segredos
jamais ao mar revelados.
Patricia I. F. Sophiatti – Brusque/SC
5º. Lugar
Tal qual indomável onda
que ameaça as cercanias,
terrível perigo ronda
a criança em nossos dias!
Maria Luiza Walendowsky – Brusque/SC
6º. Lugar
Aquelas ondas serenas
largadas de um mar azul
vão banhar belas morenas
nas praias “quentes” do sul.
Ari Santos de Campos – Itajaí/SC

7º. Lugar
Uma garça passeava
naquela praia pequena
e a onda ali cirandava
na branca areia serena.
Maria Carmen Varejão – Balneário Camboriú/SC
8º. Lugar
No balanço do meu barco,
que vai subindo e descendo,
na onda como em um marco
deixo o que está remoendo.
Patricia I. F. Sophiatti – Brusque/SC
9º. Lugar
O mar molhando os meus pés,
suave balanço da onda;
provocantes cafunés
nas belas noites de ronda.
Arthur Gabriel Silveira – Brusque/SC
10º. Lugar
Pororoca, grande onda,
mexe e remexe os barquinhos,
e no barranco ela estronda
assustando os ribeirinhos.
José Carlos Cercal – Brusque/SC
Coordenação:
Eliana Ruiz Jimenez
Delegada da UBT de Itapema

Comments

comments

Post a Comment

Your email is never shared. Required fields are marked *

*
*